Home Curiosidades Harmônica de vidro: conheça a história do curioso instrumento musical

Harmônica de vidro: conheça a história do curioso instrumento musical

by Educação em Movimento
0 comment

Nunca ouviu falar da harmônica de vidro? A harmônica, também é famosa como ‘gaita de vidro’, e seu inventor é Benjamin Franklin que a criou em 1761. Em 1757, enquanto na Inglaterra ele assistiu a um concerto dado nas taças de vinho. Ele achou que era o som mais doce que já tinha ouvido, mas queria ouvir mais harmonias com sua melodia.

Continua após a publicidade

Assim nasceu a Armônica e nomeada por Franklin para uma palavra retirada da língua musical italiana. Foi dito que se a harpa é “o instrumento dos Anjos”, então a Armônica ou Harmônica é “a voz dos Anjos”.

O que é a harmônica de vidro e o que a tornou tão única?


A harmônica de vidro é uma série de 37 tigelas de vidro giratórias com destaque por cores que criam som quando estás em atrito com as mãos do tocador. As taças de vidro são postas com precisão e vibram para criar sons.

Continua após a publicidade

As tigelas giram por meio de um pedal acionado pelo pé, muito parecido com uma roda de fiar. Em suma, a harmônica de vidro cria uma gama mais ampla de tons do que um conjunto de copos cheios poderia, e eliminou a necessidade de líquido permanente e suas desvantagens óbvias!

O design de Frankin também permitia que o músico tocasse até 10 notas ao mesmo tempo. Usando copos cheios de líquido, não era possível tocar várias notas ao mesmo tempo. Ao permitir que o músico toque várias notas, a harmônica de vidro pode criar uma experiência musical muito mais rica para o ouvinte.

Continua após a publicidade

Como o instrumento se popularizou?


Harmônica de vidro: conheça a história do curioso instrumento musical

A Armônica foi um sucesso instantâneo. Maria Antonieta teve aulas sobre isso e Dr. Mesmer, o famoso hipnotizador, usou-o para colocar seus pacientes em um transe mais profundo. Os compositores começaram a escrever para ele como por exemplo, os mais famosos: Mozart, Beethoven, Donizetti, Richard Strauss e Saint-Saens.

Continua após a publicidade

Em meados de 1800, de repente perdeu sua popularidade e desapareceu gradualmente. As superstições corriam soltas. Dizia-se que as harmônicas enlouqueciam os artistas e evocavam os espíritos dos mortos por causa de seu som assustador.

Contudo, ele teve um renascimento em 1982 através dos esforços do falecido mestre soprador de vidro chamado Gerhard Finkenbeiner, de Waltham, Massachusetts.

A harmônica de vidro prejudica a saúde dos músicos?

Harmônica de vidro: conheça a história do curioso instrumento musical

Até o momento, os cientistas não identificaram nenhum perigo para a saúde humana no som da harmônica ou as razões pelas quais essa música pode afetar negativamente o estado mental de uma pessoa.

Continua após a publicidade

No entanto, eles descobriram que o tom predominante da harmônica está na faixa de 1 a 4 kHz, o que torna muito difícil para os humanos localizarem o objeto acústico no espaço circundante, daí a ilusão auditiva que o instrumento cria com seu som aparentemente vindo de nenhum lugar em particular.

Esse efeito também pode ser uma boa referência de por que as taças nepalesas são amplamente usadas durante as práticas espirituais. Como muitos instrumentos musicais antigos, a harmônica foi revivida no final do século XX, quando não apenas músicos clássicos trouxeram de volta o som autêntico às obras da era clássica, mas também artistas populares começaram a gravar a harmônica de vidro.

Então, gostou de saber mais sobre esse instrumento curioso? Pois, leia também: Entenda o que é Hygge, a arte dinamarquesa da felicidade

Continua após a publicidade

You may also like